O melhor do Interior do Estado do Rio

Cinco cidades para conhecer no Vale do Café

Roteiros pelo interior fluminense faz turista viajar pela história do Brasil Império, dos casarões do século 19 até a mesa sempre farta das antigas fazendas de café

Enfileiradas como bons soldados servindo ao Império, as dezenas de palmeiras de até 40 metros de altura formam um corredor natural entre o portão de entrada e o casarão. Silenciosas, acompanham o caminhar de um casal de braços entrelaçados, com trajes que os entusiastas de novas tendências dirão ser o que há de melhor no estilo retrô. Ao chegarem até nós, apresentam-se: “Somos o Visconde e a Viscondessa de Rio Preto, sejam bem-vindos à nossa casa, a Fazenda do Paraízo”.

É dessa forma que começa a viagem no tempo, ou melhor, o nosso roteiro pelo circuito histórico do Vale do Café, região do interior do Rio de Janeiro que ganhou projeção nacional durante o auge da produção cafeeira no Brasil, no século 19.




Dois séculos à frente do que viveu o casal de viscondes e numa área há muito sem café, a cena da nossa recepção é interpretada, na verdade, pelo historiador e guia turístico Adriano Novaes e pela gestora de turismo e guia Samantta de Souza. Vestidos a caráter e com linguajar de época afiado, os dois fazem parte de um grupo que realiza as tradicionais visitas teatralizadas em algumas fazendas da região.

Incentivados pelo projeto do Sebrae para promover o turismo com foco no período imperial batizado de Tour da Experiência, 18 estabelecimentos das cidades de Rio das Pedras, Valença, Vassouras, Barra do Piraí e Piraí criaram produtos que buscam resgatar a história do País entre 1822 e 1889.

Como resultado, atrações diversas que exigem no mínimo um fim de semana para serem curtidas com calma – a distância de São Paulo até Piraí, município mais próximo da capital paulista, é de 338 quilômetros. Ir de uma cidade a outra significa percorrer, em média, apenas dez quilômetros a mais.

O que se encontrará pelo caminho vale por um bom número de aulas de História, desde a preservação da memória material traduzida por objetos e construções de 200 anos atrás até a releitura de nossa gastronomia. Comer (muito) bem, aliás, é regra por lá, e qualquer passeio terminará com ao menos um cafezinho.




Assim como os guias, os proprietários das fazendas muitas vezes se vestem como barões e baronesas para receberem seus visitantes. Acompanhados quase sempre por mulheres negras que ocupam papéis de serviçais sem voz, a situação gera incômodo. Consequência, talvez, da linha tênue que há entre a representação teatral de uma época e a reprodução de preconceitos enraizados na sociedade.

Sentindo-se como uma sinhazinha garbosa, negra alforriada, visconde ou líder quilombola, fato é que a passagem pelo Vale do Café te fará viajar para muito além das estradas terrestres.

Comentários

comentários

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.